skip to Main Content
11 3149-5190 | 0800-773-9973 FALE CONOSCO Como ajudar DOE AGORA

Menina que teve vídeo viralizado ao contar sobre doador de medula para o Papai Noel comemora sucesso de transplante

Eduarda, de 10 anos, passou cinco anos fazendo tratamento e em busca de doador compatível conseguiu transplante e está em processo de cura

Uma menina comemora o resultado de um transplante de medula óssea, feito em São Paulo, no ano passado, e a cura do câncer, depois de cinco anos de tratamento. Eduarda, que completa 10 anos nesta terça-feira (9), tinha um tipo agressivo de leucemia, cujo diagnóstico saiu aos 2 anos, e fez tratamento em Barretos (SP), até conseguir um doador compatível.

À época do tratamento, o médico informou à família que ela não aguentaria mais ser submetida à quimioterapia e que precisava urgentemente de um transplante. “Ele falou que não tinha mais o que fazer e que não poderia mais esperar. Voltei para casa sem chão”, disse.

Uma semana depois, surgiu um doador. O processo de exames, até a realização da cirurgia durou cerca de um ano.

Durante o tratamento, ela foi a um shopping e pediu que fosse encontrado um doador em um momento em que a família só tinha a fé como aliada, como conta a mãe dela, Ritieli Santos da Silva.

A gente tem uma fé muito grande. Ela tem uma fé sem tamanho, é incrível”, contou.

No passeio, ela se encontrou com o Papai Noel e fez o pedido. Poucos dias depois, surgiu um doador e ela voltou para agradecer. O doador é da Europa.

No vídeo gravado pela mãe, Eduarda se aproxima do Papai Noel e diz que quer lhe contar algo e que ele não vai acreditar. Ele diz: “Se você me contar é claro que eu vou acreditar”. E ela: “Consegui um doador”. Surpreso, o Papai Noel ficou sem fala e a abraça, feliz.

Agora está em processo de cura, porque o período de observação pós transplante é de 10 anos, em média. Os cabelos cresceram e ela já está

levando uma vida normal, em casa, em Cuiabá. “Quero ter uma vida normal e fazer coisas que toda criança faz”, disse.

A mãe da Eduarda afirmou que a descoberta da leucemia foi por causa de um caroço no pescoço, aos 2 anos. “Ela tinha ido numa festinha e, no dia seguinte, ela acordou com um caroço no pescoço, nos achamos estranho e a levamos para o hospital e lá nós ficamos, não saímos mais”, contou.

Conforme o tratamento foi avançando, os cabelos foram caindo por causa das medicações.

Durante o tratamento em São Paulo, os parentes realizaram várias ações para arrecadar dinheiro e ajudar a manter mãe e filha no outro estado.

Os familiares venderam rifa, camisetas, pizzas, fizeram bingo e agora, e fizeram uma “vaquinha virtual” e recebendo doações em conta bancária para garantir a cobertura dos custos até que a cirurgia seja feita e as duas possam retornar para Mato Grosso.

Agora, Duda está em casa junto com a família, em Cuiabá.

 

Fonte: 

Back To Top