skip to Main Content
11 3149-5190 | 0800-773-9973 FALE CONOSCO Como ajudar DOE AGORA

Menina com leucemia encontra medula compatível em irmã de 9 anos: ‘Minha pequena heroína’

Médica hematologista que já teve a doença e foi curada se emociona ao contar história das irmãs. Compatibilidade de Eloísa e Bella é de 120%

Compatibilidade é a palavra chave para quem tem leucemia e depende de um doador de medula óssea. A médica hematologista Marina Aguiar, que já teve a doença e se curou, conta a história de uma paciente de 18 anos chamada Eloísa, que procurava um doador e acabou encontrando a compatibilidade na própria irmã, Bella, de 9 anos.

‘Quando a gente conhece a família, a gente fica mais emocionada ainda. Porque é uma irmã mais nova, que em todas as consultas vinha junto e queria que a irmã estivesse bem e curada. Em nenhum momento duvidou ou reclamou’, conta a médica.

Médica se cura do câncer e lança livro para ajudar pessoas que lutam contra a mesma doença: ‘Já senti a dor do meu paciente’

As meninas

A família das irmãs é de Senador Canedo, na Região Metropolitana de Goiânia. Após fazer diversos exames, Eloísa, que luta contra a leucemia desde 2021, encontrou na Bella um grau de 120% de compatibilidade.

Ela é a minha pequena heroína agora. Sempre fui muito próxima e apegada à ela’, diz Eloísa sobre a pequena Bella.

A mãe das meninas, Carolina de Souza Oliveira, contou que ficou surpresa com a alta possibilidade de cura de Eloísa por meio da doação da filha mais nova.

‘São 120% de compatibilidade para poder surpreender ainda mais nossos corações e deixar a gente ainda mais grata a Deus’, desabafou a mãe.

‘Já chorei muito no banheiro, sempre procurava passar força para ela’, disse o pai das meninas, Eclides Nunes de Oliveira.

A porcentagem de compatibilidade das duas é mais do que necessária para receber o transplante de medula óssea e tratar efetivamente a doença, segundo a médica Marina. O transplante de medula da Eloísa está marcado para a próxima semana.

‘Como é uma doença muito agressiva, a quimioterapia é muito intensa. É como se pausasse sua vida para cuidar da saúde. Eu sempre quis minha a cura para mostrar que sempre tem como’, conta a médica Marina.

 

Fonte: G1.Globo

Back To Top