skip to Main Content
11 3149-5190 | 0800-773-9973 FALE CONOSCO IMPRENSA Como ajudar DOE AGORA

Menina tem infecção de ouvido e, pouco depois, pais descobrem que ela tinha leucemia

‘Se ela fosse diagnosticada um ou dois dias depois, teria morrido’, diz o pai dela

Carys estava começando a primeira série do ensino fundamental, aos 6 anos, quando foi acometida por uma infecção no ouvido. Os pais, Mark e Laura, a levaram ao médico de família, em Sydney, onde eles vivem, e foram orientados a tratar o problema com antibióticos. Foi o que fizeram.

Porém, depois de três semanas, mesmo com os ciclos de medicação finalizados, a menina começou a piorar. ‘Ela passou a ficar muito pálida e letárgica e a apresentar hematomas com muita facilidade’, disse o pai, em entrevista ao site Kidspot. A família correu com Carys para o hospital e, naquele mesmo dia, em março de 2020, o pesadelo começou.

‘Eles colheram sangue dela e algumas horas depois fomos informados de que ela tinha leucemia’, lembra Laura, a mãe da pequena. ‘Nunca pensamos que poderia ser isso. Ficamos incrédulos, chocados e chateados. Estávamos apenas tentando processar e descobrir quais seriam os próximos passos para que ela melhorasse’, diz ela. Carys foi diagnosticada com leucemia linfoide aguda do tipo B. ‘Os médicos nos disseram que é o tipo mais comum de leucemia infantil e o mais curável, o que nos deu esperança’, afirma Mark. A doença, porém, progrediu muito rápido. ‘Se ela tivesse sido diagnosticada um ou dois dias depois, teria morrido’, acrescenta ele.

A partir da constatação de que ela tinha leucemia, Carys passou por um tratamento intenso e muito sofrido. Foram dois anos de quimioterapia exaustiva – grande parte dela sob condições estritas, que a isolaram de seus amigos e familiares. ‘Ela ficava acamada a maior parte do tempo e muito doente’, diz o pai. ‘Tudo o que podíamos fazer era tentar ajudá-la a ficar mais confortável, mas, por outro lado, nos sentíamos impotentes. Isso faz você perceber o quão cruel é esta doença e é difícil de assistir’, afirma ele.

Em 2021, felizmente, novos exames atestam que Carys estava em remissão, sem nenhum vestígio de câncer em seu corpo. Porém, o alívio da família não durou muito. Ela precisou continuar com o acompanhamento periódico e, em maio do ano passado, um exame de sangue voltou com resultados anormais. O câncer de Carys, agora com 10 anos, tinha voltado, mas, desta vez, na coluna e no cérebro.

Ela recomeçou o tratamento e vieram novos desafios. ‘A quimioterapia não funcionou como da última vez, então, agora, precisou ser muito mais forte, o que é prejudicial para ela’, explica Mark, sobre os sete a oito meses de tratamento que terá pela frente. Agora, eles aguardam e oferecem todo o apoio possível para a pequena conseguir enfrentar mais uma etapa. ‘É ainda mais difícil para ela, mas só esperamos que ela saia disso’, completa Mark.

A leucemia linfoide aguda (LLA) é uma doença que acontece na medula óssea e ataca a produção de glóbulos brancos (leucócitos). Ela aparece quando essas células começam a se multiplicar muito rápido e de forma desordenada. “Numa fase inicial, os sintomas são inespecíficos e comuns, como febre e falta de apetite, que podem ocorrem em várias doenças. Então, é normal que a família e o pediatra não pensem logo de cara em leucemia. Por isso, qualquer sintoma, por menor que seja, precisa ser um sinal de alerta para acompanhar e, se for o caso, fazer outros exames”, explica Cecília Costa, líder do Centro de Referência de Tumores Pediátricos do A.C. Camargo Cancer Center (SP).

O diagnóstico precoce é fundamental para aliviar o tratamento, que é longo, durando cerca de dois anos, e agressivo. Segundo a Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE), as chances de cura são de 80% a 90%. “A LLA é o tipo de câncer mais comum na infância, mas ainda assim é uma doença considerada rara: não são esperados mais do que 9 mil casos por ano. A boa notícia é que, em idade pediátrica, a doença tem uma evolução muito melhor do que em adultos”, diz o oncopediatra Vicente Odone, diretor do ITACI – Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (SP).

O fato de as chances de cura serem altas não diminui as dificuldades do tratamento. Fazer seguidas sessões de quimioterapia, ficar hospitalizado por longos períodos, longe da família e da rotina, não é nada fácil – nem para a criança, nem para os pais. De acordo com a psicóloga Renata Petrilli, coordenadora da área de psicologia do Hospital do GRAACC (SP), é preciso que todos encontrem apoio e enxerguem bons motivos para seguir em frente com o tratamento. “É muito importante encontrar propósitos e motivos para continuar, para ter a certeza de que vale a pena seguir tentando. As equipes de psicologia costumam conversar muito com a criança e a família, para que eles entendam que a doença não é um castigo e que o tratamento é só mais uma etapa até que a criança possa ficar boa de novo”, reforça.

 

Fonte: Crescer Online

Back To Top