skip to Main Content
11 3149-5190 | 0800-773-9973 FALE CONOSCO Como ajudar DOE AGORA

Diagnósticos de câncer diminuíram 50% durante a pandemia; veja instituições que ajudam pacientes de forma gratuita

Profissão Repórter desta terça-feira (19) mostra casos de pacientes que tiveram que adiar tratamentos por causa da pandemia

O Profissão Repórter desta terça-feira (19) mostra casos de pacientes que tiveram que adiar tratamentos por causa da pandemia. Um levantamento da ONG Oncoguia alerta que o número de diagnósticos de câncer, por exemplo, diminuiu 50% durante esse período.

Algumas instituições no Brasil oferecem ajuda gratuita para pacientes, veja onde encontrá-las:

Abrale – Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia

A instituição oferece apoio para pacientes com câncer e seus familiares, mobilizando parceiros que possam ajudar no melhor tratamento possível para a doença, além de diversos serviços gratuitos. Eles atuam em 13 cidades espalhadas pelo país.

Grupo de Apoio a Pessoas Com Câncer

A entidade fornece medicamentos, atendimento psicológico, orientação jurídica, nutricional e terapia alternativa. O grupo atende nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Abrace

Criada em 1986, a Abrace oferece apoio para crianças com câncer que buscam tratamento em Brasília, oferecendo leitos de hospedagem, espaço pedagógico, tratamento odontológico e assistência social. A instituição contribuiu para que o índice de cura no Distrito Federal aumentasse de 50% para 70%.

Femama – Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama

A Femama atua desde 2006 por mudanças em políticas públicas para que a população tenha um melhor diagnóstico e tratamento no câncer de mama. A instituição conta com mais de 70 ONGs associadas em 20 estados, além do Distrito Federal.

Fundação do Câncer

Com sede no Rio de Janeiro e mais de 30 anos de atuação, a fundação apoia o Instituto Nacional do Câncer (Inca) e investe em prevenção, diagnóstico precoce, pesquisa e cuidados paliativos da doença.

 

Fonte: G1.Globo – Profissão Repórter

Back To Top