Abrale

Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia.

Ferramentas

Pesquisar

Atendimento

0800 773-9973 | (11) 3149-5190

Menu

Fatores de risco para leucemia em criança

Fatores de risco para leucemia em criança

 

Fator de risco é algo que afeta sua chance de adquirir uma doença como o câncer. Entretanto, ter um fator de risco ou mesmo vários fatores de risco não significa que você vai definitivamente ter a doença, e muitas pessoas que a desenvolvem podem não ter tido qualquer fator de risco conhecido. Alguns fatores de risco conhecidos para a leucemia em criança:

Síndromes hereditárias:

Síndrome de Li-Fraumeni: esta é uma condição rara causada pela mutação no gen p53, um gene supressor de tumor. Pessoas com esta mutação têm um risco aumentado de desenvolver vários tipos de câncer, incluindo leucemia, sarcomas de tecidos moles, câncer de mama e tumores cerebrais.

Síndrome de Down (trissomia 21): são muitas vezes mais propensos a desenvolver LMA.

Síndrome de Klinefelter: ligada a um risco ligeiramente aumentado de desenvolver leucemia.

Várias outras doenças genéticas como neurofibromatose e anemia de Fanconi também carregam um risco aumentado de leucemia, bem como outros tipos de cânceres.

Doenças Imunológicas: crianças com certas doenças hereditárias, como a ataxia telangiectasia, síndrome de Wiskott-Aldrich e Síndrome Bloom podem nascer com problemas no sistema imunológico, aumentando o risco de contrair infecções graves ou mesmo de desenvolver leucemia.

Irmão (ã) com leucemia: irmãos de crianças com leucemia têm uma chance ligeiramente maior (2 a 4 vezes do normal) de desenvolver leucemia até os 7 anos de vida, sendo que o risco é muito maior entre os gêmeos idênticos. Ter um pai que desenvolveu leucemia na idade adulta não parece aumentar o risco de uma criança desenvolver a doença.

Estilo de vida: alguns estudos sugerem que a mãe que bebe muito álcool durante a gravidez pode aumentar o risco de leucemia em seu filho, mas nem todos os estudos têm encontrado tal ligação.

Fatores de risco ambientais: exposição a níveis elevados de radiação é um fator de risco para leucemia infantil, como os sobreviventes da bomba atômica. O feto exposto à radiação nos primeiros meses de desenvolvimento pode aumentar o risco de leucemia infantil, mas a extensão do risco não é clara. Os possíveis riscos da exposição fetal ou infantil a níveis menores de radiação, tais como raios-x ou tomografia computadorizada, não está bem definido.

Exposição à quimioterapia e a outros produtos químicos: crianças e adultos tratados por outros tipos de câncer com drogas quimioterápicas têm maior risco de ter um segundo câncer, geralmente LMA, alguns anos após o término do tratamento.

Drogas como agentes alquilantes (uma classe que inclui ciclofosfamida e clorambucil) e epipodofilotoxinas (como etoposide e teniposide) têm sido associadas a um maior risco de leucemia. Essas leucemias geralmente se desenvolvem dentro de 5 a 10 anos de tratamento e tendem a ser difíceis de curar.

Supressão do sistema imunológico: pacientes recebendo tratamento intensivo para suprimir a sua função imune (principalmente de órgãos transplantados) têm um risco aumentado de certos tipos de câncer, como linfoma e LLA.

Outros fatores que têm sido estudados para uma possível ligação com leucemia infantil incluem:

•   Exposição aos campos eletromagnéticos (como viver perto de linhas de energia)
•   Infecções no início da vida
•   Idade da mãe quando a criança nasceu
•   História de tabagismo dos pais
•   Exposição fetal aos hormônios (pílulas anticoncepcionais)
•   Exposição do pai a produtos químicos e solventes
•   Contaminação química da água subterrânea

Até agora, a maioria dos estudos não têm encontrado forte ligação entre qualquer um desses fatores com a leucemia infantil. Os investigadores continuam a estudar estas exposições.

 

 

Comentários

Esse espaço é para você expressar sua opinião sobre o conteúdo dessa página. Qualquer dúvida que tenha em relação ao tema abordado, pedimos por gentileza que envie para nosso fale conosco ou pelo e-mail abrale@abrale.org.br

Sou cadastrado

Faça o login para enviar seu comentário

Esqueceu sua senha?

Não sou cadastrado

Cadastra-se agora e envie seu comentário

Cadastre-se

Nenhum comentário

Ir para o topo

Newsletter

Receba informações sobre a ABRALE

Redes sociais

Twitter

ABRALE

Siga-nos

Facebook

Encontre-nos